Professores debatem carreira docente e campanha salarial


Na tarde de hoje, o VIII Encontro Nacional realizado em Brasília teve como temas a carreira docente e a campanha salarial. Na ocasião, o presidente do PROIFES, Eduardo Rolim, contextualizou todo o processo negocial e falou dos motivos que levaram a entidade a assinar o acordo.  Rolim afirmou que após receber a primeira proposta do governo, o Conselho Deliberativo se debruçou sobre o documento e verificou que, como estava, não era possível avançar. Entretanto, apresentou para análise do Ministério do Planejamento 15 pontos conflitantes e discordantes. Com os pontos revistos, a Federação questionou às bases e realizou consulta eletrônica nacional. Segundo Eduardo Rolim, não se negociam princípios, porém é importante que os negociadores sejam capazes de compreender a correlação de forças, a conjuntura política, econômica e social do momento onde os que apostam na solução dos conflitos. “Um acordo não reflete necessariamente a posição inicial de nenhuma das partes, mas sim um avanço e recuo de posições onde ambas estrategicamente têm que ceder sob pena de impasse insolúvel”. O matemático e diretor do PROIFES, Gil Vicente, explicou detalhadamente a proposta apresentando, entre outros pontos, os cálculos utilizados para o reajuste concedido, que elevaos salários dos professores, em média, para cerca de 6% acima do salário de julho de 2010. “Não é a proposta que queríamos originalmente, mas é um ganho que não pode ser desconsiderado ou descartado”. Já Nilton Brandão, diretor do PROIFES que participou ativamente das negociações, lembrou que a entidade deixou claro para o Governo que não discutiria acordos ou progressos na carreira do Magistério Superior se os mesmos não contemplassem a do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (EBTT). O posicionamento do PROIFES foi uma demanda apresentada pelos professores da categoria no último Encontro Nacional e tornou compromisso da Federação. O então secretário de Relações de Trabalho do Ministério do Planejamento, Duvanier Paiva, cedeu ao pedido e passou a considerar ambas as carreiras na mesa de negociação. Brandão também ressaltou o desastre aos docentes de EBTT se o governo implementar a carreira única.Artigos Professores que escreveram artigos ligados à temática apresentaram e defenderam seus pontos no Encontro. A professora Ana Paula Ravazzolo falou sobre Carreira docente e Pesquisa; enquanto Claudio Scherer de Negociações futuras sobre carreiras e salários. As Estimativas de Inflação para uma negociação de política salarial teve a explanação de Aray Miguel e o tema Magistério Federal Superior e EBTT: Ser ou não ser uma carreira de Estado teve como palestrante a professora Elizabeth Bittencourt.
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email
Share on whatsapp
WhatsApp
Close Menu