Morre o historiador baiano Ubiratan Castro

NOTA DE FALECIMENTO

A APUB SINDICATO informa o falecimento às 7h desta manhã, 03 de janeiro de 2013, do historiador e professor da Universidade Federal da Bahia, Ubiratan Castro de Araújo,  filiado à Apub desde 14 de maio de 1980, que estava internado, há dois meses, no Hospital Espanhol, em Salvador, em decorrência de uma infecção que se agravou nos últimos dias. Ubiratan Castro de Araújo tinha 64 anos e era renal crônico. O Velório Será hoje (quinta-feira, 03) às 14h no Palácio da Aclamação (Campo Grande), o corpo será cremado amanhã (sexta-feira, 04) às 10h no Cemitério Jardim da Saudade.

Breve biografia

Nascido em Salvador, em 22 de dezembro de 1948, Professor Doutor Ubiratan Castro de Araújo exercia, desde 2007, o cargo de diretor-geral da Fundação Pedro Calmon, unidade da Secretaria de Cultura do Governo da Bahia.

Doutor em História pela Université Paris IV-Sorbonne, Mestre em História pela Université Paris X-Nanterre, Licenciado em história pela Universidade Católica do Salvador e Bacharel em Direito pela Universidade Federal da Bahia. É membro da Academia de Letras da Bahia, onde ocupa a cadeira 33, cujo patrono é o poeta abolicionista Castro Alves. É professor da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da Ufba. Foi diretor do Centro de Estudos Afro-Orientais da Ufba (CEAO), presidente do Conselho para o Desenvolvimento das Comunidades Negras de Salvador (CDCN) e é Irmão Professo da Venerada Ordem do Rosário de Nossa Senhora dos Homens Pretos a Portas do Carmo, localizada na Igreja do Rosário dos Pretos no Largo do Pelourinho. No primeiro mandato do presidente Luís Inácio Lula da Silva (entre 2003 e 2006), Ubiratan Castro de Araújo trabalhou com o ministro da Cultura, Gilberto Gil, presidindo a Fundação Cultural Palmares. Desde 2007, integra o Governo Jaques Wagner, sendo diretor-geral da Fundação Pedro Calmon, unidade da Secretaria Estadual de Cultura. Entre os prêmios e títulos que recebeu, destacam-se: a Medalha do Bicentenário da Restauração Portuguesa da Academia Portuguesa de História, o Troféu Clementina de Jesus da União dos Negros pela Igualdade (Unegro), a Medalha Zumbi dos Palmares da Câmara Municipal de Salvador e, a mais recente, a Comenda da Ordem Rio Branco, condecoração oferecida pelo Ministério das Relações Exteriores do Brasil. É autor dos livros: A Guerra da BahiaSalvador Era Assim – Memórias da CidadeSete Histórias de Negro, o primeiro trabalho ficcional do autor eHistórias de Negro (versão ampliada). Fonte: Fundação Pedro Calmon.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email
Share on whatsapp
WhatsApp
Close Menu