Docentes lançam livros nesta sexta-feira (31) na Faculdade de Direito da UFBA

Nesta sexta-feira (31), a partir das 17h30, na Sala da Congregação da Faculdade de Direito da UFBA, será realizado o lançamento coletivo, promovido pelo Grupo de Estudos e Pesquisas sobre a Reforma Trabalhista. A professora Renata Dutra e o professor Carlos Freitas, docentes da casa, lançam respectivamente “Trabalho, regulação e cidadania: a dialética da regulação social do trabalho” e “Auxílio-Acidente e saúde do trabalhador”. O professor da UNIFACS, João Gabriel Lopes lança “Detrás do leviatã: as políticas de endividamento das cortes constitucionais”.

Conforme explica Carlos Freitas, Auxílio-Acidente e Saúde do Trabalhador (EDUFBA, 2018) é uma obra que reúne suas experiências advogando em defesa de trabalhadores vitimados por acidades ou doenças de do trabalho e das pesquisas realizadas sobre a saúde do trabalhador. ” As reflexões sobre o benefício do auxílio-acidente representam uma síntese entre a militância na advocacia e o aprofundamento teórico provocado pelas pesquisas”, explica. O livro comenta as normas, a doutrina jurídica e a jurisprudência acerca do auxílio-acidente, além de propor reflexões jurídicas e políticas sobre este benefício e, e de como os dados do INSS sobre ele representam a atual situação da saúde do trabalhador no Brasil.

Já a obra da professora Renata Dutra, fruto de sua tese de doutorado, é uma análise das questões que envolvem a precarização do trabalho no campo de operadores e operadoras de telemarketing em Salvador. A pesquisa buscou identificar como, no processo de disputa pela efetivação do Direito do Trabalho, o resultado era, muitas vezes, diferente do que a legislação trabalhista assegurava. “Havia muitas situações de violação de direitos que ficavam na impunidade, muitas situações eram diluídas pela demora da atuação judicial”, diz Renata. “Eu analiso o papel do poder judiciário, do Ministério Público do Trabalho, da Fiscalização do trabalho, do sindicato e dos próprios trabalhadores através de seus mecanismos de resistência para ver como a regulação do trabalho que se concretiza e em que medida ela se distancia dessa previsão legal dos direitos. A minha conclusão é muito no sentido de que existem dinâmicas que vão muito além da previsão normativa do direito, que muitas vezes o direito que está assegurado tem sua efetivação driblada por outros mecanismos e outras dinâmicas sociais”. O período estudado foi anterior ao da Reforma Trabalhista porém, segundo Renata, os indicadores encontrados já antecipavam uma situação de precarização que agora tende a se estender para outras áreas: “é como se eu concluísse que a regulação do trabalho não chega para essas mulheres, jovens, negras, que compõem a maior parte dos trabalhadores do setor de teleatendimento. É como se essa Reforma Trabalhista já fosse vivida na prática para os trabalhadores desse setor”.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email
Share on whatsapp
WhatsApp
Close Menu